A importância de uma dieta adequada para quem tem hipertensão

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

Conhecida popularmente como pressão alta, a hipertensão é uma condição clínica que atinge diretamente a pressão arterial, de modo que sua principal característica são os níveis elevados. 

Pela força que o sangue exerce, causando a pressão, ao ser bombeado a partir do coração, ao percorrer as artérias que estão espalhadas por todo o corpo, acaba tendo uma certa resistência para que isso ocorra.

Medida no modo de milímetros de mercúrio, ou mmHg, os especialistas consideram que uma pessoa hipertensa está com a pressão maior ou igual a 14 por 9 ou 140/90 mmHg, durante muito tempo.

Embora seja mais comum que os sintomas apareçam em fases mais avançadas, a hipertensão acaba atingindo quaisquer faixas etárias de diferentes classes sociais, até mesmo condições financeiras. 

Desde que realiza exames anuais de tomografia computadorizada da face, até mesmo quem trabalha em meio às equipes a hipertensão pode se manifestar a qualquer momento. 

Tipos de hipertensão

Do mesmo modo que outras doenças, há também os tipos de hipertensão que é caracterizada em diferentes estágios que acabam sendo definidos de acordo com os níveis da pressão arterial, divididos entre:

  • Leve;
  • Moderado;
  • Alto;
  • Muito alto.

Em alguns casos, quando o indivíduo já possui doenças como diabetes ou então, um histórico de AVC (Acidente Vascular Cerebral, as atenções em torno da hipertensão se tornam ainda maiores e mais preocupantes.

Com a definição em estágios, tal como um forno pizza elétrico, a hipertensão é dividida de três modos. 

O primeiro estágio é decretado quando a hipertensão está acima de 130 por 90, e abaixo de 160 por 100, enquanto o segundo é quando está acima de 160 por 100 e 180 por 110, algo que já deve entrar ainda mais em estado de alerta. 

Isso porque no último estágio, a hipertensão é medida sendo acima de 180 por 110, algo que se torna ainda mais perigoso se não for tratado, tendo o risco do paciente vir a óbito. 

Quais são os sintomas característicos da hipertensão? 

Aparecendo, principalmente, quando a pressão sobe em níveis que devem se ter atenção, os principais sintomas podem incluir dores no peito e na cabeça, além de tonturas e zumbido no ouvido. 

Alguns hipertensos podem também ter sintomas em situações de trabalho onde estão instalando uma sacada com vidro fumê, como a visão embaçada, fraquezas ou até, um sangramento nasal.  

Esses sintomas, se não houver um tratamento adequado com o acompanhamento de médicos especialistas na área podem acabar gerando consequências graves, como infarto, doenças renais, derrame, morte súbita, aneurisma da aorta ou insuficiência cardíaca. 

Grande parte dos casos, doenças cardíacas como a hipertensão acabam sendo um fator hereditário, e na menor parte, acabam sendo por distúrbios na tireoide ou em glândulas. 

Outros fatores que podem derivar a um indivíduo a se tornar hipertenso são o consumo alto de bebidas alcoólicas, obesidade, consumir grandes quantidades de sal, idade avançada e entre as principais causas, o sedentarismo. 

Tratamentos para a hipertensão

Sendo uma doença que não tem cura, a hipertensão pode ser controlada por meio de tratamentos que devem ser recomendados pelos médicos, do mesmo modo que se recomenda utilizar uma sonda nasogástrica tubo de alimentação, por exemplo.

Por variar a dosagem do medicamento de paciente para paciente, alguns cuidados que contribui com o tratamento é a mudança no estilo de vida, mesmo em casos em que os medicamentos são moderados. 

Cuidar do peso mantendo-o adequado, não usar muito sal, moderar o álcool e abandonar o fumo são uma das ações que os especialistas mais recomendam, incluindo evitar alimentações das quais os alimentos são muito gordurosos. 

O controle de outras comorbidades, como a diabete, também contribuem no tratamento de hipertensos, de modo que ao se praticar atividades físicas de modo regular e que se enquadrem nas condições do indivíduo, se tornam um benefício para ambas. 

A dieta adequada e seus benefícios

Uma dieta adequada funciona como um antimicrobiano hospitalar, ajudando no combate de doenças que possam prejudicar o corpo e também, sendo uma forma de fazer parte do tratamento do paciente. 

O principal elemento que deve ser evitado em grandes consumos na dieta é o sal, sendo considerado por muitos médicos como o “vilão”, porque esse elemento acaba retendo os líquidos e fazendo com que um maior volume de sangue circule pelo corpo. 

Esse volume acaba aumentando a pressão arterial, e com isso, levando-a a sumir em grandes escalas. 

Produtos naturais atacado, especialmente, os temperos podem ser ótimos substitutos para esse produto, sendo alguns deles como alecrim, cebolinha, tomilho, orégano e salsa, de forma que possam trazer novos sabores e tornar a refeição mais saudável. 

Outras refeições que também carregam consideráveis quantidades de sal são comidas congeladas ou de fast foods, o que também podem prejudicar a saúde quando consumidas em grandes quantidades e de forma diária. 

Alimentos em conserva também devem ser evitados nas dietas devido ao sal envolvido nos líquidos que estão presentes em latas de milho, ervilha, cogumelos, azeitona, sardinha e atum.  

Os embutidos também são outro formato de alimento que contém altos níveis de sal, e também, acabam sendo um dos mais gordurosos de forma que ao serem consumidos, devem ser em baixa escala e em períodos longos de uma alimentação para outra. 

Olhar os rótulos pode ser um fator que acaba se tornando um controlador de acesso hospitalar, isso porque os indivíduos ficarão cientes do que estão consumindo e da quantidade de calorias ou outros componentes que a comida possui. 

A tabela nutricional dos alimentos contém as informações necessárias, de modo que é escrita em uma escala onde o topo acaba abrigando informações dos que estão em maiores quantidades e, no fim da lista, os que estão menores. 

Portanto, acompanhar a tabela nutricional contribui para que a dieta possa ser montada de forma equilibrada, do mesmo modo que uma tabela de medidas pode dar um bom resultado final em um jaleco enfermagem feminino personalizado.  

Alimentos que são ricos em proteínas são os mais indicados para hipertensos, como peixes, ovos, leite, iogurte ou carnes magras, de forma que o consumo seja baixo e preparado de modo adequado, ou seja, com outras opções de tempero para substituir o sal. 

O consumo de água também é um fator que contribui com quem tem hipertensão, isso porque evita a retenção de líquidos que contribui para o aumento da pressão arterial, portanto, acaba deixando o sangue com uma melhor fluidez. 

Em questão de consumo de laticínios, devem ser priorizados aqueles que não contém gordura, no modo de semi-desnatado ou então, totalmente desnatado. 

Carboidratos como o arroz, podem ser substituídos pelo modo integral, assim como o pão e o macarrão, sendo possível que em alguns casos, a aveia também faça parte do cardápio.

Bebidas que apresentam o rótulo de “zero” devem ser deixadas de fora da dieta, isso porque elas podem conter sódio em outra forma e em maiores quantidades que o tradicional, dando assim, preferências para sucos naturais de frutas ou chás de ervas.

Águas saborizadas também são outras formas de se hidratar para quem tem hipertensão, sendo feitas com frutas naturais como limão, abacaxi e outras opções que, preferencialmente, não devem ser adoçadas ou se forem, em baixas quantidades. 

Para uma dieta balanceada, as proteínas devem ser consumidas em duas porções, assim como os grãos integrais e os cereais em uma média entre seis a oito. 

Verduras, frutas e legumes são aqueles que devem ser consumidos em maior escala, dentre oito a dez porções, enquanto oleaginosas como nozes e castanhas, apenas em uma porção.

Leites e derivados na forma de desnatado ou semidesnatado devem ter seu consumo em torno de três porções. 

O equilíbrio de uma dieta pode contribuir para que, em situações de doenças como a hipertensão, a alimentação acabe sendo uma boa junção com a medicação indicada pelos médicos e a prática de exercícios físicos.  

Considerações finais 

A hipertensão é uma condição grave da qual o hipertenso deve-se ter cuidado para não aumentar ainda mais a pressão, isso porque pode acabar derivando a casos como de AVC, ataques cardíacos com maiores facilidades de ocorrência e até mesmo, o óbito. 

Mesmo que em boa parte dos casos possa ser hereditário, algumas situações podem agravar essa doença, como o consumo grande de sal, álcool e o tabagismo, além de uma alimentação desregularizada e nada sustentável.

Alimentos embutidos também é outro fator que pode ser prejudicial para pessoas hipertensas, e isso acaba dando uma importância ainda maior para dietas equilibradas, que com um acompanhamento médico, podem prolongar a vida do indivíduo. 

Ter uma dieta adequada e praticar exercícios físicos de forma regular, contribui com a melhora na qualidade de vida de qualquer pessoa com doença pré-existente e crônica, de modo que proporcione um bem-estar a longo prazo. 

Leia também: