Como cuidar da saúde mental dos colaboradores?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram
saúde mental
88 / 100

A tendência encontrada no contexto corporativo nos últimos anos tem sido o aumento da preocupação acerca da saúde mental dos colaboradores, inclusive, essa é uma pauta discutida com frequência nas empresas, considerando os impactos. 

Os colaboradores de determinada empresa, cuja principal atividade é o fornecimento do serviço de agência de transporte terrestre, se há a ausência da saúde mental, poderá afetar diferentes campos da vida pessoal e profissional, comprometendo a produtividade.

A recomendação feita pelos departamentos de recursos humanos é que, ao realizarem as tarefas de trabalho, os funcionários deem foco para o que está sendo executado. No entanto, tal recomendação é afetada por questões endógenas e exógenas.

Em adição, as relações interpessoais devem ser analisadas no escopo da gestão de pessoas, uma vez que a ausência da produtividade surte efeitos não só no desenvolvimento profissional, como também prejudica o contexto empresarial. 

Competências como a inteligência emocional são fundamentais no meio corporativo, conforme relatado por uma empresa administradora condominial, o bom funcionário é aquele capaz de distinguir questões pessoais das profissionais.

Ao separar as diferentes realidades, o colaborador está apto para cumprir com suas responsabilidades laborais sem prejudicar o próprio desenvolvimento, e tampouco o desempenho da equipe de trabalho. 

Saiba mais:

botao whatsapp do prime gourmet

Entenda os impactos do trabalho na saúde mental

Entende-se por saúde mental, em concordância com a definição de especialistas, bem como do conceito defendido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a capacidade de administrar sentimentos e lidar com questões diversas do dia a dia.

Aspectos como a qualidade de vida e a sensação de bem-estar dos indivíduos são impactados diretamente pela saúde mental.

Para um microempreendedor individual atuante no ramo de limpeza de estofos de carros, a grande dificuldade é tratar separadamente as questões pessoais e profissionais, não deixando que um problema se sobressaia e gere impactos negativos.

Entretanto, não são todas as pessoas que têm aptidão para tal ato, inclusive, a saúde mental é influenciada por fatores interiores e exteriores ao indivíduo.

Nesse sentido, pode-se compreender que estar inserido em ambientes nocivos corrobora para o desenvolvimento de problemas como ansiedade, estresse excessivo e depressão. O ambiente de trabalho, quando nocivo, pode gerar tais questões.

Equipes que trabalham sob constante pressão acerca de prazos e resultados, colaboradores que estão na gestão de líderes invasivos e locais onde a comunicação é falha, são ambientes prejudiciais para a saúde mental.

Embora o intuito seja que as pessoas contem com a competência de inteligência emocional, conforme observado pelos profissionais de recursos humanos, se o ambiente de trabalho é tóxico, sem dúvidas os funcionários serão afetados.

Um prestador dos serviços de higienização e impermeabilização de estofados em conjunto com a equipe de gestão de pessoas, pode apontar algumas esferas presentes no contexto corporativo que impacta negativamente a saúde mental, como:

  • Gestão discriminatória;
  • Políticas inadequadas para execução da rotina de trabalho;
  • Falta de flexibilidade;
  • Falta de comunicação;
  • Baixa perspectiva de desenvolvimento profissional.

Esses são os pontos relatados por equipes multidisciplinares como principais motivos que tornam um ambiente de trabalho nocivo, impactando não só a saúde mental dos funcionários, como também comprometendo a produtividade das empresas.

Conhecendo os pontos citados, é função do departamento responsável pela gestão de pessoas proporcionar melhorias no clima organizacional, evitando assim reflexos nos objetivos e metas empresariais e dos funcionários.

Saúde mental: por que é importante?

Diversas pessoas estão propensas ao desenvolvimento de transtornos mentais e emocionais ao longo da vida, e ainda pode observar-se que algumas pessoas já nascem com problemas de saúde que se manifestam no decorrer dos anos, como a ansiedade.

Isso ocorre em decorrência de desequilíbrios na bioquímica cerebral, em que a serotonina não é produzida em quantidades adequadas, portanto, não ocorre um maior bem-estar.

Em alguns casos, elementos como a herança genética, criação na infância e o próprio ambiente de trabalho impactam nesse sentido, o que leva uma pessoa a ficar impedida de evitar o acometimento desse tipo de transtorno.

Por esse motivo, é comum que empresas que conferem pressão na rotina de trabalho disponham de benefícios e descontos para que os funcionários possam realizar terapia ocupacional e fisioterapia funcional em prol de uma melhor qualidade de vida.

Aliás, cabe enfatizar que o acometimento por transtornos mentais e emocionais não está sob controle do empregador, e tampouco do indivíduo. Mas práticas como manter uma dieta balanceada e frequência nas atividades físicas contribuem para o bem-estar.

No entanto,  é crucial que as organizações e as pessoas que trabalham nesses locais tenham a verdadeira consciência que onde há pessoas, com certeza questões de problemas de saúde podem vir a acontecer.

Ainda nesse contexto, a discussão de pautas relevantes acerca da diversidade e inclusão é feita regularmente entre os principais atores do mercado, como as corporações líderes e referência, órgãos reguladores do trabalho, organizações internacionais e colaboradores.

Especialistas em saúde mental ainda agregam na discussão com o argumento de que a tendência para os próximos anos é o aumento da chamada “doença do trabalho”, termo traduzido do inglês que se refere ao Burnout.

A Síndrome de Burnout é uma questão emocional que gera improdutividade nas pessoas, depressão, ansiedade, estresse excessivo e indisposição, como consequência de uma rotina de trabalho sobrecarregada.

De acordo com a medida preventiva de saúde, as recomendações médicas são que, no ambiente corporativo, algumas ações sejam tomadas para retardar seu acontecimento, e não para solucioná-lo ou remediá-lo.

Qual o papel das empresas na saúde mental?

Indo ao encontro das tendências do mercado, que tratam de iniciativas empresariais visando a saúde, qualidade de vida e bem-estar dos funcionários, os stakeholders convidam as empresas para repensarem o relacionamento com os colaboradores.

Tendo em vista que os indivíduos dedicam boa parte do tempo às atividades laborais, é desejável que o ambiente de trabalho compactue com a saúde mental.

Isso se aplica tanto para grandes empresas quanto para pequenos negócios locais atuantes em ramos específicos, como uma loja de móveis para cozinha.  

Delegue metas atingíveis

O primeiro ponto a ser considerado para as empresas que queiram adotar medidas preventivas e favoráveis à saúde mental dos colaboradores, é repensar o volume de trabalho bem como a rotina.

Para uma empresa de segurança privada, repensar a rotina dos trabalhadores é o mesmo que contar com a melhor divisão de atividades.

As atividades laborais, em suma, demandam foco, atenção e análise do tempo hábil para combinar a parte executiva com os prazos e metas delegadas. Somente expondo esse cenário, entende-se que o meio corporativo é complexo.

Em adição, fatores como o alto volume de trabalho dificultam ainda o cotidiano dos colaboradores. Por esse motivo, é crucial que as empresas tenham o pensamento de delongar o dia a dia no trabalho.

Diferentes medidas são recomendadas para que as organizações diminuam o ritmo de trabalho sem grandes impactos operacionais, seja na diminuição por tempo determinado, reorganização de responsabilidades e benefícios como day-off e emendas.

Tais medidas não afetam necessariamente o faturamento e fluxo de trabalho, pelo contrário, assume assertivamente métodos que corroboram para a melhoria das relações trabalhistas.

Use as políticas a favor

Entende-se por política em uma empresa a cultura organizacional que esta possui, o que afeta diretamente não só as relações entre empregado e empregador, bem como o relacionamento com clientes e parceiros.

Atualmente, o mercado vem enfrentando movimentações no que tange às políticas empresariais, afetando diretamente a cultura organizacional, assim como o clima. Como consequência, rompe-se os padrões tradicionais das companhias.

Conforme relatado por uma empresa de limpeza e serviços gerais, o choque de gerações se tornou o principal motivador das inovações de cultura no mercado.

Afinal, se antes a antiga geração de pessoas dedicava-se para cumprir com os objetivos e metas da empresa a qualquer custo, a nova geração tem um ponto de vista divergente.

A perspectiva defendida pela nova geração não é a de não atingimento das metas, mas sim, que existe a valorização de metas e objetivos. No entanto,deve haver um apelo para o equilíbrio entre a vida pessoal e a profissional.

Por esse motivo, para que não seja desconsiderado o bem-estar e o desenvolvimento pessoal e profissional dos colaboradores, seja feito um reajuste de políticas que ofereça qualidade de vida aos colaboradores como um todo.

Considerações finais

A saúde mental, embora ainda seja um tabu para a sociedade, é um aspecto que afeta todas as pessoas e em cenários diversos de suas vidas. No mundo corporativo, questões como a produtividade, relações interpessoais e resultados são pontos de atenção.

Por fim, a responsabilidade das empresas, nesse contexto, é de oferecer condições de bem-estar, e aos colaboradores cabe assumir verdadeiramente a posição de protagonista no encontro e desenvolvimento da própria qualidade de vida.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Leia também:

botao whatsapp do prime gourmet