A Verdade sobre a Dor da Vasectomia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram
vasectomia
76 / 100

Uma vasectomia é um procedimento cirúrgico  que bloqueia o esperma e o impede de se misturar com o sêmen. Isto impede que alguém com um pênis engravide alguém.

É um método de contracepção comum que cerca de 500.000 homens nos Estados Unidos escolhem todos os anos. Mas é comum também que os homens se perguntem se uma vasectomia dói, uma vez que requer incisões no escroto. Existe a possibilidade de ficar com um pênis mais sensível?

Como qualquer tipo de cirurgia, existe a probabilidade de alguma dor e desconforto. No entanto, a dor na vasectomia é normalmente menor, temporária e facilmente tratada.

O que se pode esperar de uma vasectomia

Uma vasectomia é um procedimento relativamente rápido e simples que é realizado por um urologista. Pode ser feita num consultório de um urologista, ou num hospital ou centro cirúrgico.

O objetivo de uma vasectomia é tornar estéril quem se submete a ela, é um procedimento que requer cuidadosa consideração – não só sobre a natureza da cirurgia e recuperação, mas também sobre o que ela significa para o futuro.

É também importante lembrar que uma vasectomia não tem impacto a longo prazo na função sexual.

Procedimento

Uma vasectomia é normalmente realizada por um médico urologista com anestesia local, mas pode ser feita sob sedação total. Se estiver especialmente nervoso com este procedimento – ou se outra cirurgia ser feita ao mesmo tempo – então a sedação total pode ser apropriada.

Antes da cirurgia, a sua área escrotal será preparada, sendo depilada e limpa com uma lavagem anti-séptica. Poderá ser pedido para depilar essa área em volta do escroto – mas não o saco escrotal em si – na noite anterior ao seu procedimento.

Se tiver anestesia local, você receberá uma injeção no escroto, o que entorpece a área e evita a dor. A injecção irá doer um pouco, mas em breve não sentirá qualquer dor. Poderá sentir tensão ou movimento durante a cirurgia, mas não sentirá dor.

Durante uma vasectomia convencional, o médico fará duas pequenas incisões no escroto para acessar o canal deferente.

Após as incisões serem feitas, o urologista cortará as extremidades de cada um dos dois canais deferentes e vai amarrá-los ou colocará uma barreira onde os cortes foram feitos. Isto bloqueia o fluxo de esperma através do canal deferente.

Outro método, chamado cauterização, pode ser utilizado em vez de dividir o canal deferente. O cirurgião queimará o interior do vaso deferente com uma ferramenta especial para promover a formação de tecido cicatricial.

Os pontos dissolvíveis podem ser utilizados para fechar as incisões. Em alguns casos, não são utilizados pontos e o escroto se cicatriza por si só. Todo o procedimento demora cerca de 20 minutos, e após um breve período de recuperação, você pode ir para casa no mesmo dia.

Síndrome da dor pós-vasectomia

Em 1 a 2% das vasectomias feitas com equipes de confiança, ocorre uma condição rara chamada síndrome da dor pós-vasectomia.

Ela é definida como dor escrotal que é constante ou intermitente durante um período de pelo menos 3 meses. Em muitos casos, a dor aumenta durante ou após a atividade sexual, ou após uma atividade física vigorosa.

Também pode sentir dor, que pode ser aguda ou latejante, sem qualquer atividade que a desencadeie. Por vezes, ela aparece logo após uma vasectomia, mas pode também desenvolver-se meses ou mesmo anos mais tarde.

As causas dessa síndrome ainda não são bem compreendidas, mas podem incluir:

  • danos nos nervos
  • pressão dentro do escroto
  • tecido cicatricial que afeta o canal deferente
  • epididimite, que é uma inflamação do epidídimo

Tratamento

Uma forma de tratar essa condição é com uma inversão da vasectomia, que restabelece a capacidade de ter filhos.

Um estudo de 2017 sugere que a reversão da vasectomia é a solução mais “lógica” para a Síndrome, assumindo que o tecido cicatricial ou outra obstrução no vaso deferente é a causa da dor. Embora pouco comum, a cirurgia para liberar um nervo aprisionado também pode ser uma opção.

Vasectomias sem bisturi

Nos últimos anos, uma alternativa às vasectomias tradicionais tornou-se popular. É conhecida como uma vasectomia sem bisturi.

Ela envolve um pequeno deslocamento no escroto para que a passagem abra o suficiente para que o canal deferente apareça através dele. É feito um corte do canal deferente, que depois volta ao local em que estava..

O tempo de recuperação é menor com uma vasectomia sem bisturi, e o risco de problemas e complicações hemorrágicas é menor em comparação com uma vasectomia convencional.

Leia também: