Ambulância tipo B: como deve ser essa ambulância?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram
ambulancia tipo b
88 / 100

Curitiba, 03 de agosto de 2022, escrito por Gilson Rodrigues. Você já ouviu falar da ambulância tipo B? A verdade é que poucas são as pessoas que sabem ou entendem da existência dos diferentes tipos de categorias dos veículos de emergência. No entanto, essa é uma informação da qual as pessoas deveriam ter.

Não é raro encontrar pessoas que acreditem que a ambulância por dentro é sempre igual, mas é bem pelo contrário. A verdade é que cada uma segue as suas próprias características. Então, a ambulância tipo B é diferente de todas as demais.

Mas por que isso acontece? É bem simples. Porque cada pessoa precisa de um atendimento específico, e não tudo igual. Com certeza você concorda que uma pessoa que teve uma parada cardíaca precisa de mais urgência e estrutura do que uma vítima de um corte superficial.

Então, não faria qualquer sentido enviar uma ambulância toda robusta, com equipamentos de alta tecnologia, para solucionar um problema simples. Na verdade, isso seria um exagero. E esse é um dos motivos de haver diferentes tipos de ambulância.

Entretanto, isso não quer dizer que ao solicitar uma ambulância em Curitiba, por exemplo, você precisa especificar o tipo que precisa. Não é assim que acontece. Na verdade, os próprios atendentes possuem treinamento para saber como lidar com essas situações.

Mas, o que estamos querendo dizer é que os serviços de ambulância variam de acordo com a categoria do veículo. Cada um é mais adequado para situações mais específicas, a fim de poder oferecer melhores estruturas para um paciente.

Sendo assim, é interessante entender sobre esses pontos da ambulância e emergências médicas. Então, se você quer saber mais sobre a ambulância tipo B, é só continuar nesse artigo

Precisando de uma ambulância?

Como deve ser uma ambulância?

Antes de qualquer coisa, a primeira coisa que você deve entender sobre esse assunto é em relação a como deve ser uma ambulância no geral. Isso é importante porque há toda uma regulamentação, a qual visa definir tudo com o máximo de cuidado.

Algumas pessoas podem achar que é a própria empresa que decide como deve ser cada categoria de ambulância, mas não é bem assim. Afinal de contas, a nossa saúde é o bem mais precioso de todos. Por isso, é preciso considerar com muito cuidado.

Mesmo porque, ao falar sobre questões de saúde, deve-se saber que é muito sério, haja vista que se trata do bem mais importante de todos. Então, é essencial lidar com o máximo de cuidado possível sobre essas questões.

E é justamente por isso que há diversas normas. Ou seja, a fim de fazer com que todas as pessoas, de certa forma, estejam reparadas, uma vez que todas as empresas devem seguir esses padrões. Além disso, é válido salientar que tanto a ambulância particular quanto o SAMU devem seguir essas normas.

E isso quer dizer que, independente do veículo que você solicitar, todas elas devem estar de acordo com o que está descrito na ABNT – NBR 14561/2000, a qual visa padronizar e definir tanto o tamanho quanto em relação aos itens que devem ter dentro desse veículo.

Contudo, há outras regras também. Isso acontece porque o Ministério da Saúde, de acordo com a Portaria n°2048, de 2002 procura instaurar um padrão para cada um dos tipos de ambulância no Brasil, incluindo para a ambulância tipo B.

Quais são todos os tipos de ambulâncias?

Uma dúvida bem comum que você pode ter a respeito desse assunto é em relação aos tipos de ambulâncias que existem. Como mencionado, a ambulância tipo B deve seguir um padrão, mas isso se estende para todas as demais.

E quais são todas as demais categorias de ambulância? São elas:

Cada uma dessas ambulâncias tem uma estrutura diferente, o que faz com que cada uma delas seja mais adequada para prestar um determinado tipo de serviço, mas quais são esses?

Isso vai variar. Enquanto a ambulância tipo B é capaz de atuar em situação X, o tipo C é mais adequado para outro tipo de ocasião. Então, de certa forma, podemos afirmar que cada veículo detém a sua própria “especialidade”.

Mas, no geral, dentre os tipos de serviços de ambulância que existem, podemos citar os seguintes:

  • Ambulância para eventos;
  • Ambulância para empresas;
  • Resgate dependente químico;
  • Exames domiciliares;
  • Locação ambulâncias;
  • Gestão de saúde;
  • Área protegida;
  • Bombeiro civil etc.

Agora, no que tange à ambulância particular valor, saiba que isso vai variar de acordo com uma série de fatores, bem como a categoria do veículo necessária e o tipo de serviço que será prestado.

Como é uma ambulância tipo B?

Você já entendeu bastante sobre esse assunto e, agora, com certeza está curioso em querer saber como deve ser uma ambulância tipo B. Primeiro, é necessário iniciar do começo. De acordo com a Portaria do Ministério da Saúde, o conceito de ambulância é:

“Define-se ambulância como um veículo (terrestre, aéreo ou aquaviário) que se destine exclusivamente ao transporte de enfermos.”

Fora isso, ainda de acordo com essa mesma Portaria, a ambulância tipo B é considerada uma veículo de suporte básico. Sendo assim, ela é mais adequada para situações simples, onde o paciente não corre sério risco de vida.

Ou seja, o paciente corre um certo risco de vida e, por isso, pode acontecer de a vítima precisar de atendimento pré-hospitalar no local do acidente. Mas, se isso for necessário, trata-se de algo mais básico, já que a situação não é tão complicada.

Isso quer dizer que também é um tipo de ambulância para remoção simples, bem parecido com o tipo A. Então, ela também é capaz de atender situações como internação involuntária, no caso de o adicto não concordar em receber tratamento.

Em contrapartida, no caso de necessitar de uma ambulância para evento, o ideal pode ser optar por uma outra que seja mais robusta, haja vista que nessa situação pode acontecer algum acidente um pouco mais grave.

Além disso, não é porque a ambulância tipo B é um tipo de suporte básico que ela não precisa estar de acordo com as normas. Bem pelo contrário. Nesse caso, a equipe deve ser composta por, pelo menos, um enfermeiro ou técnico em enfermagem e o motorista socorrista.

Agora, no que diz respeito aos itens e equipamentos que a ambulância tipo B deve possuir, citamos os seguintes:

  • Sinalizador óptico e acústico;
  • Suporte para soro e maca articulada com rodas;
  • Colete cervical;
  • Instalação para rede de oxigênio com cilindro;
  • Umidificador de oxigênio;
  • Kit para parto;
  • Maleta de primeiros socorros com estetoscópio;
  • Luvas descartáveis;
  • Tesouras;
  • Ressuscitador manual;
  • Rádio para comunicação.

Como chamar uma ambulância tipo B?

Você já entendeu bastante sobre ambulância tipo B e, agora, é bem provável que queira saber sobre como chamar uma ambulância desse tipo.

No entanto, saiba que não é necessário informar ao atendente que requer uma ambulância tipo B. Na verdade, o próprio atendente será capaz de identificar e enviar uma veículo adequado para atender o seu chamado.

Isso quer dizer que, se porventura precisar de uma ambulância para empresa, o próprio atendente, com base nas perguntas que fizer, irá conseguir identificar a necessidade.

Mas, para chamar uma ambulância, o telefone ambulância é o 192.

Leia também: